Kit do Investidor

Monte o seu kit.Escolha e baixe os arquivos do seu interesse.

Mercado Segurador

O mercado de seguros no Brasil vem apresentando crescimento relevante nos últimos anos. Dados da SUSEP (Superintendência de Seguros Privados) indicam que a receita com prêmios emitidos dos ramos elementares, considerando apenas os ramos em que a SulAmérica atua, alcançou R$ 170,9 bilhões em 2016, um aumento de 12,4%. Se forem desconsiderados os prêmios dos planos da modalidade VGBL, o mercado de seguros teria atingido R$ 66,0 bilhões em prêmios emitidos, estável em relação a 2015. O segmento de automóveis representou a maior parcela da receita, com participação de 49,4% no total de prêmios emitidos dos ramos elementares (sem VGBL) em 2016. Já no mercado de saúde suplementar, segundo dados disponibilizados pela ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) para o ano de 2016, a receita total era de R$ 161,5 bilhões para o período em questão, o que representou um crescimento de 12,7% ante 2015.

A estabilidade econômica brasileira conquistada nos últimos anos propiciou crescimento relevante do setor de seguros em todos os ramos, mesmo frente a um cenário macroeconômico desafiador. A receita de seguros no Brasil é principalmente proveniente de seguros de (i) automóveis; (ii) outros ramos elementares; (iii) saúde; e (iv) pessoas (incluindo tanto apólices de seguros de vida quanto de acidentes pessoais).

Apesar do crescimento em prêmios de seguros observado nos últimos anos, a penetração do mercado segurador brasileiro em relação ao resto do mundo ainda é baixa, segundo o relatório “Sigma”, n. 03/2016 publicado pela resseguradora Swiss Re. Dados fornecidos neste relatório mostram que a relação dos prêmios de seguros com o PIB do país era de 3,9% em 2015, quando a média mundial, nesse mesmo período, era de 6,2%. Tal penetração colocava o Brasil, em 2015, como 39º colocado do ranking mundial.

Previdência Privada

Atualmente, os principais produtos oferecidos no mercado brasileiro por entidades de previdência complementar ou seguradoras são planos das modalidades PGBL (plano gerador de benefício livre) e VGBL (vida gerador de benefício livre). Nos planos de previdência privada, de forma geral, a receita financeira auferida dos ativos é integralmente alocada às reservas dos beneficiários. Esses produtos geralmente oferecem a possibilidade de contratação de coberturas complementares, como seguros de vida e acidentes pessoais. Os planos das modalidades PGBL e VGBL caracterizam-se por contribuições definidas, e oferecem aos titulares diferentes alternativas de investimento das reservas acumuladas. A Companhia não comercializa planos tradicionais de previdência (de benefício definido), todavia possui parte de seus beneficiários inscritos nesses tipos de planos.

De acordo com a SUSEP, as contribuições de planos de previdência complementar aumentaram de R$99,0 bilhões em 2015 para R$117,5 bilhões em 2016.

Gestão de Ativos

De acordo com a ANBIMA – Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais, o segmento de administração de recursos de terceiros no Brasil tem crescido significativamente nos últimos anos. O volume de recursos administrados no Brasil passou de R$2.803 bilhões em 31.12.2015 para R$3.269 bilhões em 31.12.2016. Desde 2004, o segmento de fundos de investimento passou por mudanças significativas, com a atribuição da supervisão dessa atividade à CVM, incentivo à adoção das melhores práticas de governança corporativa além de aumentarem a transparência na gestão dos fundos de investimento.

Os principais clientes do mercado de administração de recursos são investidores institucionais, como entidades de previdência complementar, seguradoras e clientes privados usualmente do segmento de alta renda.

Capitalização

De acordo com informações de dezembro de 2016 da SUSEP, as arrecadações apresentaram redução de 5,4% quando comparadas ao mesmo período de 2015, atingindo R$20,3 bilhões. Projeções da CNSeg (Confederação Nacional das Empresas de Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saúde Suplementar e Capitalização) apontam para um crescimento anual entre 4,0% e 8,0% em 2017.

Última atualização em 2017-05-03T18:41:15

Meu Carrinho de Downloads

Selecione os arquivos de seu interesse no site e gerencie o download.

Arquivos Selecionados

Apagar este documento do carrinho
Baixar documentos Limpar a lista